Brasil será superpotência agrícola, diz Tesouro britânico

Londres - A economia mundial vive uma transformação radical, comparável à revolução industrial do final do século XIX, e que resultará num cenário no qual os principais países emergentes, entre eles China, Índia e Brasil, terão um peso cada vez maior. A avaliação consta de estudo apresentado hoje pelo chanceler Gordon Brown juntamente com o plano pré orçamentário do Reino Unido para 2005, um dos eventos mais importantes do calendário econômico e político do país.

O relatório, com o timbre do Tesouro britânico, prevê que o Brasil se tornará uma potência dominante no setor agrícola na próxima década. O objetivo do estudo é o de garantir que o Reino Unido "possa alcançar sucesso nesse período de mudança econômica de grandes proporções".

O estudo identifica seis tendências que deverão nortear a economia global até 2015. Um delas será a "crescente proporção da produção mundial originada em economias emergentes, incluindo China e Índia, e em outros emergentes como a Rússia, Brasil e México". O governo britânico observa que em 1980 menos que a décima parte das exportações manufatureiras vinham de economias emergentes e países em desenvolvimentos. Hoje, essa fatia é de 25% e em vinte anos atingirá 50%.

Mudanças demográficas também terão um impacto significativo. "O fortalecimento dessas economias apresenta novas oportunidades para o comércio e investimentos, mas também coloca uma desafio para as indústrias e setores que têm sido historicamente exclusividade das economias avançadas", disse.

João Caminoto
Fonte: Agência Estado



Voltar