Os maus intelectuais

Os maus intelectuais

Na última sexta-feira, inúmeros intelectuais do Brasil e vários do exterior, numa atitude pra lá de repugnante e muito preocupante, assinaram um manifesto repudiando a CPI (aprovada) que pretende investigar o MST.

Como o governo tem maioria no Congresso, os resultados da CPI vão ficar comprometidos pelos vícios dos interesses dos simpatizantes do MST, infelizmente. Além disso, esta investigação parlamentar chega com atraso, pois os atos de invasões e vandalismo já deveriam ter sido reprimidos, com firmeza, desde o primeiro ato criminoso.

Escrever e assinar manifestos são direitos dos cidadãos. Até aí tudo bem. Mas, quem propõe o que está no manifesto dos maus intelectuais em defesa do MST é assombroso. Observem só este trecho do documento:

Trecho

A estratégia de luta do MST sempre se caracterizou pela não violência, ainda que em um ambiente de extrema agressividade por parte dos agentes do Estado e das milícias e jagunços a serviço das corporações e do latifúndio. As ocupações objetivam pressionar os governos a realizar a reforma agrária.

Mais esse: É preciso uma agricultura socialmente justa, ecológica, capaz de assegurar a soberania alimentar e baseada na livre cooperação de pequenos agricultores. Isso só será conquistado com movimentos sociais fortes, apoiados pela maioria da população brasileira.

Contra a criminalização das lutas sociais convocamos todos os movimentos e setores comprometidos com as lutas a se engajarem em um amplo movimento contra a criminalização das lutas sociais, realizando atos e manifestações políticas que demarquem o repúdio à criminalização do MST e de todas as lutas no Brasil.

Entre tantos intelectuais do atraso que assinaram o mau documento estão, obviamente, Luis Fernando Veríssimo, Emir Sader, Eduardo Galeano (Uru) entre tantos outros que aplaudem a violência e o vandalismo praticado pela turba. (Leia aqui o manifesto e quem já assinou )

Estou absolutamente seguro de que esses mesmos intelectuais ainda vão escrever e assinar outros manifestos. Um deles será em favor dos narcotraficantes, com certeza. Movidos pelo mesmo sentimento social que os levam a afirmar que o MST é um movimento do bem, vão dizer que a polícia deve deixar em paz todos os criminosos.

 Comentário do PONTOCRITICO.COM - 26/10/2009

 


Notícias Anteriores